Como você gosta?

Como você gosta?

Acho curioso como as pessoas são covardes umas com as outras quando o assunto é o que acontece entre quatro paredes. Sinceramente, não entendo essa barreira que existe em dizer ali durante o rala e rola o quê e como cada um gosta. Sabe, sair falando mal da pessoa que você foi pra cama para os amigos depois do ato consumado, além de não adiantar nada, é uma tremenda sacanagem. É tão simples. Se ela está fazendo de um jeito que te machuca, reclama! Se ele está com a língua no lugar errado, fala! Se a posição não está legal, se gosta ou não gosta de algo, se sente prazer de determinado jeito ou não. Desembucha! Não é muito melhor tentar resolver ali na hora H e tornar o momento “gostoso” do que fingir que está bom e depois sair queimando a pessoa por aí? Quer um exemplo? Ok! Uma porcentagem muito grande das pessoas não sabem fazer sexo oral, tanto homens quanto mulheres, mas acham que são as melhores do mundo. E isso porque os parceiros nunca reclamaram ou, o que é ainda pior, porque fingiam que estáva bom enquanto estava uma bosta. Tem gente que prefere elogiar a atuação patética com medo de reclamar e a pessoa se doer e nunca mais fazer. Aí acabam enchendo a bola do(a) coitado(a), porque cá entre nós, o negócio é tão bom, mas tão bom, que, mesmo ruim, ainda é bom, e melhor mal feito do que nada. A verdade é que não existe manual de instruções para ser bom. Cada pessoa gosta de um jeito e ninguém é obrigado a ser a sua alma gêmea sexual que vai ler os seus desejos eróticos por telepatia. Entendeu? Talvez aquilo que você não gosta fazia a ex do cara subir pelas paredes. Talvez aquilo que você acha bem esquisito era o máximo pro ex dela… Vai saber. Ah! E tem outra! Não me venha com mimimi e achar que é a neta da Dercy Gonçalves ou o sexólogo do Fábio Júnior quando alguém vier te fazer alguma reclamação. Não custa nada aprendermos a perguntar e ouvir o que a pessoa tem a dizer. Humildade sexual e troca de experiências não fazem mal a ninguém e podem causar muito prazer. Se é que me entendem.


23 de outubro de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *