Equilibrando pratos

Equilibrando pratos

No que diz respeito aos relacionamentos, ultimamente as pessoas têm se tornado exímios equilibristas. Eu explico. Tente você visualizar um equilibrista de pratos bastante habilidoso, segurando várias varetas que, por sua vez, mantém os pratos em suas extremidades girando. Enxergou? No caso, você é o prato, e aquela pessoa que você gosta, o equilibrista. Ele enxerga e administra todos, e faz de tudo para que você não visualize os outros pratos a girar. Perceba. Não é que ele não se importe com você. Ele só não gosta o suficiente para dispensar os outros. Cada um dos pratos é importante e faz parte do show. O problema é que ninguém consegue dar atenção a todos ao mesmo tempo. O segredo então é administrar o movimento de cada um e manter a quantidade máxima de pratos girando. Quando um deles perde velocidade e ameaça cair, é o momento de dar impulso para que ele volte a girar. Fazer o prato continuar em movimento nem sempre requer um toque, se é que me entende. Talvez uma simples girada na vareta seja o suficiente. Uma mensagem de bom dia, aquela jura de saudade ou, quando o prato está mesmo próximo a cair, um encontro, um presente ou uma viagem. Pronto, já é o suficiente para reestabelecer o equilíbrio. Não pense você que somente homens equilibram pratos. De tanto serem equilibradas, as mulheres também aprenderam a equilibrar. Não adianta querer negar ou condenar. Todos nós já fomos pratos ou equilibristas em algum momento da vida. Até mesmo pessoas comprometidas costumam manter pratos girando. Você sabe como é, né? Nunca se sabe até quando as cortinas de um relacionamento estarão abertas, e ninguém quer começar tudo do zero. Vez ou outra o equilibrista se descuida de um e ele acaba caindo e se quebrando. Não é um caminho sem volta. Pratos emendados podem voltar a girar, mas são mais difíceis de equilibrar. Em outras situações, quando já não se pode mais administrar tantos pratos, é hora de escolher algum para sacrificar. Um prato cai, um novo entra, e logo aquele desprezado encontrará alguém para impulsioná-lo. Não há prato tão ruim que não encontre uma vareta. E também não existe ninguém tão especial assim. Vida que segue. Os pratos continuam girando. Vai ver um dia o equilibrista se canse do jogo. Quem sabe, lá na frente, apareça uma bela porcelana que faça todos os outros pratos ficarem sem graça. Pode até ser, mas não será você. Uma vez equilibrada, jamais prato principal. Até lá, olhos nas varetas para que o espetáculo continue grandioso. Pratos cheios, sentimentos vazios. Cada um deles segue se sentindo único. Hoje ele equilibra, amanhã será equilibrado. Odeie o jogo, não odeie o jogador. O espetáculo continua.

 


11 de julho de 2016

15 respostas para “Equilibrando pratos”

  1. Babi disse:

    Gratidão… Fez todo sentido na minha vi. Vi meu relacionamento aí … triste, reflexivo, libertador!

  2. Thallys disse:

    Adorei a metáfora. Parabéns.

  3. Marizete Conti disse:

    Tão bem descrito o comportamento humano! Visamos mais a quantidade do que a qualidade, porém nada se completa se não há esforço mútuo na mesma sincronia, alguém equilibra e um outro alguém se deixa levar.

  4. OOOOOOW MY GOOOOOD!!!
    Tirou as palavras da minha bocaaaaaa…. falo sempre da teoria dos pratinhos HAHAHAHA sensacional.

  5. Evelin Mokaelly disse:

    Meu Deus piro lendo seus texto…vem da alma, extremamente maravilhoso!

  6. Isabella disse:

    Esses dias mesmo me vi como um prato e foi exatamente o que descreveu o texto! Ontem fiquei chocada ao ver que já havia outro prato na vareta que era “minha”, mas lendo o texto eu entendi tudo! Muito bom, tirou o peso que estava em minhas costas pensando aonde eu poderia ter “errado”.

  7. Aguila Mariana disse:

    Amei

  8. Mirely disse:

    Odeie o jogo, não o jogador!

  9. Rafa, seus textos podem ser considerados como uma crônica? Se sim vou fazer uma análise dos mesmos e aprestar no meu seminário. 💕

  10. Aieda Queiroz disse:

    Nossa minha situação atual, no momento sou o pratos mais ja estou aprendendo a ser equilibrista de quem um dia tanto me equilibrou o jogo está esta mudando.Seus textos são lindos fala da alma nos toca verdadeiramente.

  11. Larissa Vasconcelos disse:

    Chorei muito lendo isso.
    “Não é que ele não se importe com você. Ele só não gosta o suficiente para dispensar os outros”.
    E foi nessa parte que desabei em lágrimas!
    Sentir é uma merda!

  12. Josiane disse:

    Nunca ouvi uma comparação tão sensata, a descrição perfeita do que mais vivemos no momento. Parabéns Rafa.

  13. DANIELA BEZERRA disse:

    Foi o texto em que mais me identifiquei, não por ser uma equilibrista, mas sim, por ser um prato em meio a tantos outros. Tem hora que precisamos parar e enxergar que certas posições que nos colocam, não nos convém. É você quem escolhe onde quer estar.
    Parabéns pela fantástica comparação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *