Querido Diário – Versão Piriguete

Nossa, quanta coisa pra te contar! Que dia mara. As coisas começaram a dar certo logo cedo. Na facul acho que finalmente o Ricardinho olhou pra mim quando passei fingindo que ia na copiadora. Odeio quando ele combina aquele moletom listrado com o boné de agroboy, mas acho até que eu conseguiria me adaptar com isso sabendo que o pai dele é dono de uma das maiores fazendas do Mato Grosso. A 4ª aula de hoje foi do professor de cálculo. Ele não é lá grande coisa, mas é professor né? E daí se ele é casado ? Você sabe do meu fraco por professores. Já faz 2 meses desde que parei de ficar com o professor de Ética. Pelo menos serviu pra ele me aprovar no final do semestre. Preciso colocar essa fila pra andar. Hoje almocei com a Lú. Tudo bem que ela é meio cafona e só sabe falar daquele ex namorado pamonha dela, mas o fato do pai ser dono da churrascaria ajuda bastante. Meu medo é que ela um dia descubra que dei uns pegas no pamonha, aí vou ter que arrumar outro lugar pra almoçar. Passei a tarde no salão da tia insuportável da Sophia e no final da tarde fui pra academia. Por falar nisso, semana que vêm vence a anuidade, acho que vou acabar tendo que voltar a falar com meu pai. Manter a forma na academia mais badalada da cidade não é fácil não. Pensei que ia garantir um desconto quando sai com aquele instrutor baixinho de lá, mas não deu muito certo não. Já estou em casa e de banho tomado. Minha mãe ta aqui me torrando o saco pra ir dar um abraço de feliz aniversário na tia Bety, mas eu não vou nunca na vida. Festas de família são o ó. Hoje já marquei de ir naquele barzinho onde o Otavinho toca. Já aprendi que instrumentista não faz ninguém mudar de vida, o que quero mesmo é um vocal. Mas até que o Bernardo volte da turnê em Piracanjuba, vou me virando com o Otavinho mesmo. Acho que depois do barzinho eu e as girls vamos nos jogar na balada. Ainda tenho o celular daquele promoter gatinho. Ele não sabe conversar e anda de carro popular, mas sempre consegue ótimos camarotes. Agora preciso ir. Tenho que desocupar o note da minha prima. Ela esta aqui me enchendo o saco pra terminar um artigo para uma tal revista científica aí. Tem gente que não tem mesmo o que fazer! Odeio essas futilidades! Fico por aqui bêbê. Amanhã nos falamos. Kisses. 


13 de junho de 2011

3 respostas para “Querido Diário – Versão Piriguete”

  1. Lais Alonso disse:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkk
    ” odeio essas futilidades”…desse jeitinho msm

  2. AMG disse:

    hehehehhe
    precisamos conversar mano…
    kkkkkkkkkkkkkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.